Implantes dentários: dentista de Curitiba denunciada

Uma dentista de Curitiba vem sendo denunciada por cinco ex-pacientes incrivelmente insatisfeitos com seus tratamentos. O caso é relatado pelo site Massa News. Confira detalhes arrepiantes de três casos.

Marilena Proença

A servidora pública, de 67 anos, já com vários implantes dentários, procurava um especialista para colocação de coroa sobre implante. Veio atraída pela publicidade que prometia parcelamento em 36 vezes. O tratamento foi diferente do previsto, com a profissional a colocar uma maquete provisória que serviria para ver como ficaria o resultado final, e em toda a arcada superior. Entretanto, a médica “enrolou” o caso e Marilena acabou por ficar quase 2 anos com a maquete. Na hora de retirar, foi necessário tirar quase todos os dentes. Marilena pegou até problema psicológico, depois de tudo isso.

Ingrid Bohler

O caso de Bohler foi também “simples”: pagou implantes superiores e inferiores antes de fazer todos. Entre 2015 e 2017, a dentista seguiu adiando a finalização do procedimento. Em setembro de 2017, Bohler apresentou denúncia no Conselho Regional de Odontologia (CRO), mas ainda não teve audiência.

Eremi Boquett

Em 2016, Boquett procurou a profissional que lhe aplicou vários implantes dentários. Com dores, o homem voltava no consultório, mas o problema não era resolvido, até que se decidiu a procurar outros dentistas, que lhe explicaram que os implantes nem eram necessários e haviam sido mal colocados. Boquett voltou à mesma médica quando os implantes começaram a cair; ela prometeu indenizá-lo, mas não cumpriu.

Será mesmo médica?

O Massa News afirma ter entrevistado a médica, que declarou ser profissional no ramo faz 16 anos. Contudo, a Universidade Positivo, onde ela declara ter estudado e cujo carimbo utilizava, responde que essa pessoa não tem vínculo com a Universidade nem o direito de utilizar esse carimbo.

O site afirma ainda que a médica não tem especialização em implantes dentários, pois “não realizou o registro da especialização no CRO”.