Muitas pessoas se perguntam se é possível colocar implantes dentários em pacientes com osteoporose. Sem dúvida é um desafio para o profissional de medicina dentária e odontologia. Só os médicos mais capazes devem fazê-lo. Mas não é impossível. Entenda melhor os fatos.

O que é a osteoporose?

A osteoporose é uma doença do esqueleto, dos ossos e tecidos ósseos, caracterizando-se por perda de massa. Os ossos vão ficando menos densos, mais frágeis… o paciente não tem sintomas até o momento em que, por qualquer pequeno choque, tem um osso partido. É uma doença tipicamente associada à idade avançada.

Como funciona o implante dentário?

A técnica do implante dentário leva o dentista a colocar um ou mais pinos no maxilar do paciente, que irão suportar um ou mais dentes de substituição. Os implantes revelam-se muito mais duráveis (no longo prazo), resistentes (contra impactos) e fáceis de manter do que as tradicionais próteses. Entretanto, o risco na sua aplicação é um pouco maior, pois implica isso mesmo que você leu: uma peça de metal ferrada em seu osso. O maxilar deve estar em ótimas condições, o que pode se revelar um risco em caso de osteoporose.

Mas então o risco não será demasiado?

O dentista deverá fazer uma análise consoante cada caso. Deverá avaliar o maxilar do paciente e verificar se existe, ou não, degradação do tecido ósseo nessa zona; poderá até determinar quais são as zonas do maxilar que estão capazes de receber o implante. Como se vê, tudo dependerá de cada caso particular, do grau da doença, etc.

É importante que o dentista trabalhe em conjunto com profissionais de outras áreas, e falamos aqui do médico que venha trabalhando com o paciente no tratamento da osteoporose. Ambos devem trocar ideias e prevenir complicações causadas por falta de comunicação.

Em último recurso, o paciente poderá ter de se “contentar” com o uso de próteses e outras soluções que não o implante dentário.